Um brinde ao Café!


Já bebi café por desespero achando que fosse me trazer ideias e realmente funcionou.
Tentei fazer o mesmo para afogar lembranças, algumas sumiram mas outras continuaram lá, então tentei reinventar a receita, para conseguir ocupar o restante da minha imaginação que já havia espantado o sono.
Foi um ótimo passatempo nos momentos em que o tédio reinava, um pretexto para rever pessoas especiais e o responsável por me fazer conhecer novas, que também apreciavam aquele aroma capaz de chegar longe.
Ah se essa caneca de café falasse! Afinal, uma xícara acaba muito rápido, sem contar que o espaço para brincar com o restinho de pó que fica ali no fundo é bem maior em uma caneca.
Já fingi ler a borra do café, porém nenhum desenho se formou, fazendo com que me sentisse um pouco louca, mas ao olhar para a mesa da frente, o rapaz dava um gole na xícara com os olhos fechados deixando todo o vapor parar na lente dos óculos, a moça da mesa ao lado olhava fixamente para o café com o pensamento bem distante dali e o balconista parecia trabalhar em uma grande obra de arte, decorando com cuidado a próxima bandeja que seria levada. E assim, percebi que em uma cafeteria cada reação é considerada bem mais que normal, é habitual.